Posts

Obesidade infantil

obesidade_infantil

Pais têm dificuldades de ver sobrepeso dos filhos, mostra estudo americano. Muitas vezes, isso acontece por medo de julgamento: reconhecer o problema pode significar que não cuidam bem de suas crianças

Aos olhos dos pais, eles são uma fofura. Pernas roliças, barriga redonda, bochechas boas de apertar. Essas características podem, contudo, ser o sinal de alerta do excesso de peso. A epidemia de obesidade que se espalha por todo o mundo não é um problema exclusivo de adultos: pessoas de todas as idades se encaixam no quadro. Segundo a Organização Mundial da Saúde, um terço das crianças e dos adolescentes já está obesa. No Brasil, 15% dos indivíduos dos 10 aos 19 anos encontram-se acima do peso e, na faixa de 5 a 9, a gordura corporal em demasia chega a atingir 38,8% da população.

Ainda assim, um estudo publicado no jornal médico Childhood obesity indicou que os pais subestimam o sobrepeso e a obesidade nos filhos. Essa é uma tendência que vem piorando ao longo do tempo, afirmaram os pesquisadores. Depois de analisar dados epidemiológicos dos institutos de saúde e nutrição dos Estados Unidos coletados de 1988 a 1994 e 2007 a 2012, a equipe de Dustin T. Duncan, do Departamento de Saúde Populacional da Universidade de Nova York, constatou que, atualmente, 94,9% das famílias avaliam erroneamente o status corporal das crianças em idade pré-escolar (2 a 5 anos), afirmando que estão no peso normal quando, na verdade, se encaixam nos padrões de sobrepeso/obesidade. Esse percentual é 30% maior que o verificado no período anterior.

A pesquisa mostrou que os pais não subestimam apenas um leve excesso de peso. De fato, algumas famílias avaliaram seus filhos já obesos como se estivessem em forma ou mesmo abaixo do peso normal. “Principalmente nessa fase da vida, isso é muito grave. Porque é no estágio pré-escolar que as atitudes e os comportamentos, como preferências e hábitos alimentares, além de atividade física, são moldados”, observa Duncan. “Essa é uma idade crítica para manter um estilo de vida saudável, que a criança provavelmente adotará para o resto da vida. A percepção que os pais têm do peso do filho pode ser um importante fator de prevenção da obesidade, ou de facilitação dessa condição, no caso da percepção ser errada”, diz.

O pesquisador esclarece que essa não é a primeira vez que se constata, estatisticamente, a tendência dos pais de subestimar o peso das crianças. Contudo, diz que, até onde sabe, a análise foi pioneira ao indicar que esse problema está piorando ao longo dos anos. Ele diz que é preciso investigar melhor o motivo por trás desse aumento. Mas Duncan tem um palpite: “É provável que a percepção errada aumente à medida que também cresça a prevalência da obesidade infantil”, afirma.

Diretora do Departamento de Obesidade Infantil da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), a endocrinologista Maria Edna de Melo observa que, no geral, pais obesos de fato tendem a enxergar os filhos como estando com peso normal. Ela ressalta que isso ocorre até nos consultórios médicos. “Muitas vezes, o profissional de saúde também está acima do peso e acaba subestimando a obesidade da criança”, diz. Outro motivo apontado por Dustin T. Duncan na pesquisa da Childhood obesity é o medo do julgamento. “Para alguns pais, reconhecer que os filhos estão com um peso não saudável pode ser o mesmo que dizer que eles não cuidam bem de suas crianças”, diz o pesquisador.

Estereótipo

Há um outro problema, destaca Alyssa Lundahl, psicóloga da Universidade de Nebraska, nos EUA, que realizou um levantamento semelhante ao conduzido por Duncan. “O estereótipo é algo muito forte. Normalmente, o sobrepeso e a obesidade infantil são retratados de forma severa, com imagens de obesos mórbidos, o que pode distorcer a compreensão que os pais têm do que é o sobrepeso e a obesidade”, pondera a especialista americana. No estudo que ela coordenou, publicado na revista Pediatrics, uma das formas de avaliar a percepção sobre o peso das crianças era mostrar aos participantes fotos de meninos e meninas com peso baixo, peso normal, sobrepeso e obesidade. Mais de 50% das imagens foram analisadas de forma incorreta.

A endocrinologista Maria Edna de Melo, que também coordena a liga de obesidade infantil do Hospital das Clínicas da USP, observa que não se deve confiar nos olhos quando o assunto é peso. “Eu mesma, às vezes, olho uma criança e acho que está com peso normal porque algumas são aparentemente magras”, reconhece. Porém, ela jamais deixa de colocar as informações dos pacientes na curva de escore-z de IMC, o método apropriado para calcular a obesidade infantil. A curva indica a posição relativa do índice de massa corporal da criança dentro de sua faixa etária e sexo. Para que os pais possam fazer essa avaliação, a página da Abeso oferece a ferramenta on-line, em www.abeso.org.br/atitude-saudavel/curva-obesidade.

O autor da pesquisa publicada na Childhood obesity defende que os profissionais de saúde se envolvam mais na questão do peso dos pequenos pacientes e passem a orientar melhor os pais. “Precisamos que a comunicação entre pediatras e pais seja mais eficaz. O reconhecimento do status de peso é o primeiro passo para conseguirmos efetivar estratégias bem-sucedidas de combate à obesidade”, afirma.

Quanto mais cedo isso for feito, melhor. Maria Edna de Melo conta que no Hospital das Clínicas da USP, as crianças de até 5 anos são as mais fáceis de trabalhar porque o controle da alimentação e das atividades físicas nessa faixa depende quase exclusivamente dos pais. Dos 5 aos 12, os pequenos passam a questionar mais. Somente entre 14 e 15 anos, é que se mostram dispostas a deixar a obesidade para trás. “Nessa idade, elas já passaram por muito sofrimento, muito bullying”, observa a médica.

Fonte: Paloma Oliveto – Correio Braziliense

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s